Inglês instrumental: o que é e como usar

August 19, 2020

Algumas pessoas precisam do inglês apenas para a leitura, apenas para a compreensão e interpretação de textos. Esse é o caso de universitários, por exemplo, que desde os primeiros períodos da faculdade necessitam ler textos acadêmicos, em inglês (ou outras línguas), e que nem sempre tiveram a chance de aprender o idioma.

 

Para ingressar em cursos de pós graduação, como mestrado ou doutorado, o aluno precisa fazer a leitura e a interpretação de um texto em língua estrangeira para ser classificado e o inglês, é claro, é a principal delas. Por diferentes motivos, as pessoas se deparam com a necessidade da compreensão escrita da língua inglesa e não dispõem de tempo, ou não têm o desejo, de estudar profundamente o idioma. Portanto, existe uma alternativa para esse grupo de pessoas, a técnica da leitura instrumental.

 

 

A leitura instrumental em língua inglesa nada mais é que uma ferramenta que, conforme o próprio nome diz, instrumentaliza a pessoa, a partir do aprendizado de algumas técnicas de leitura, e a torna apta a compreender um texto em inglês em seu sentido global. Também é possível prepará-la para a busca de informações específicas que lhe interessem, sem que precise ler todo o texto. Vamos a algumas técnicas:

 

1. Skimming: consiste na observação rápida de alguns elementos pontuais do texto, apenas para que o leitor saiba o que deverá encontrar nele.  Para tanto, é necessário prestar atenção ao layout do texto, título, subtítulo, cognatos, primeiras e/ou últimas linhas de cada parágrafo, bem como à informação não-verbal (figuras, gráficos e tabelas).

 

2. Scanning: é uma técnica de leitura que consiste em correr rapidamente os olhos pelo texto até localizar a informação específica desejada. É o que fazemos quando, por exemplo, buscamos algum título no índice de um livro para encontrar um artigo ou capítulo de interesse. Essa técnica não exige leitura completa, nem detalhada do texto.

 

Outras estratégias eficientes:

 

A) Uso do conhecimento anterior ou conhecimento prévio: a reconstrução de textos é sempre influenciada pelo conhecimento de mundo que temos sobre o assunto. Na maioria das vezes, as pessoas que necessitam ler sobre determinado assunto em outra língua já possuem algum conhecimento técnico do tema em questão.  Ao acionar esses conhecimentos, fica mais fácil inferir o sentido e até o significado de algumas palavras a partir do contexto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tanto o conhecimento prévio quanto a informação não verbal dependem das suas experiências anteriores, do seu modo de interpretar não só o texto, mas o mundo. O que você enxerga nas imagens pode ser uma grande ajuda na hora de uma prova.

 

  

 

B) Uso da informação não verbal: consiste em usar toda informação não-verbal como: ilustrações, gráficos, tabelas e dicas tipográficas (palavras ou frases em negrito, itálico, aspas e sublinhado) para ajudar na reconstrução de textos.

 

C) Uso da informação verbal: consiste em reconstruir o texto usando todos os elementos textuais oferecidos pelo autor. Dentro dos aspectos textuais, está também o reconhecimento de alguns aspectos linguísticos. Por exemplo: é de grande ajuda saber que, em inglês, os adjetivos antecedem os substantivos e que eles não têm plural; que um verbo está no passado quando for acrescido de ‘ED’ e que existem as formas irregulares do passado. Todas essas informações nos ajudarão na compreensão e na construção do sentido de um texto em outra língua estrangeira.

 

D) Formação de Palavras: dentro dos aspectos linguísticos, encontramos ainda um recurso de grande utilidade que é a construção de palavras a partir do acréscimo de sufixos à sua forma básica, como é o caso de: ‘useful’ (útil) e ‘useless’ (inútil). Ao aprendermos que estes sufixos possuem significados, compreendemos como eles modificam e dão significados novos às palavras.

 

E) Palavras cognatas: como o próprio nome diz, palavras cognatas são aquelas que são iguais e/ou se assemelham às palavras de nossa língua materna e que por serem semelhantes são fáceis de serem inferidas, por exemplo: animals / hospital / natural / nature / information, etc.

Ao mesmo tempo que há muitas palavras semelhantes e que nos ajudam na leitura de um texto em inglês, nossa memória também precisa ficar atente aos "false friends", os amigos falsos, aqueles que parecem mas não diferentes das palavras que temos em português - e é nesse hora que muitos tropeços acontecem.

 

F) Palavras falso cognatas: são palavras que enganam devido à sua semelhança com algumas palavras de nossa língua. Assemelham-se, mas possuem um significado totalmente diferente. Por exemplo: pretend (fingir), actual (real). Existem outras e reconhecê-las é essencial para não cair em armadilhas e ‘pegadinhas’ textuais.

 

G) Outro ponto importante é não se preocupar em entender cada palavra do texto, tentando traduzi-las uma a uma. Deve-se buscar a compreensão geral de cada um dos parágrafos a partir das técnicas da leitura instrumental.

 

Você alguma vez já precisou do inglês instrumental? Conhecia as técnicas de leitura? Conta pra gente nos comentários!

 

 

 

 

Alessandra Sixel Daibert

professora de inglês

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Bem-vindos ao blog S3!

January 24, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

2014 © Sistema 3 | Rua Barbosa Lima, 278 - Centro - (32) 3212-6496  - Juiz de Fora - MG